...e esgravata.

terça-feira, 17 de março de 2009

permanecer aquém.




Fever Ray + Mário de Sá Carneiro= almas gémeas. veneráveis. disparate? talvez.


Porquê? porque sim. porque ambos são Caranguejolas, Serradura e falta-lhes sempre qualquer coisa. O quê? um golpe de asa. E o sentimento de inércia, desalento e desencanto? parece que os acompanha. sempre.


___//___

Excerto de uma carta de Mário de Sá-Carneiro a Fernando Pessoa escrita em Paris, a 21 de Janeiro de 1913.

«[...] Na minha psicologia deveras emeandrada há coisas interessantes que lhe detalharei de vez em quando, muito por alto, em paga dos seus estudos. Olhe, por exemplo: a impossibilidade de renúncia. Escute:Eu decido correr a uma provável desilusão. E uma manhã, recebo na alma mais uma vergastada - prova real dessa desilusão. Era o momento de recuar. Mas eu não recuo. Sei já, positivamente sei, que só há ruínas no termo do beco, e continuo a correr para ele até que os braços se me partem de encontro ao muro espesso do beco sem saída. E você não imagina, meu querido Fernando, aonde me tem conduzido esta maneira de ser!… Há na minha vida um bem lamentável episódio que só se explica assim. Aqueles que o conhecem, no momento que o vivi, chamaram-lhe loucura e disparate inexplicável. Mas não era, não era. É que eu se começo a beber um copo de fel, hei-de forçosamente bebê-lo até ao fim. Porque - coisa estranha! - sofro menos esgotando-o até à última gota, do que lançando-o apenas encetado. Eu sou daqueles que vão até ao fim. Esta impossibilidade de renúncia, eu acho-a bela artisticamente, hei-de mesmo tratá-la num dos meus contos, mas na vida é uma triste coisa. Os actos da minha existência íntima, um deles quase trágico, são resultantes directos desse triste fardo. E coisas que parecem inexplicáveis, explicam-se assim. Mas ninguém as compreende. Ou tão raros…Se fui levado a estas divagações é que presentemente numa circunstância análoga me encontro. Lancei-me na carreira a uma ilusão dourada - pobre ilusão! - Ela podia entretanto ser uma realidade. Mas antes de ontem lá recebi, mais uma vez, a vergastada na alma. E continuo a correr…Depois sinto-me tão pequeno, tão fraco, tão pouca coisa…E sempre um calafrio na espinha, arrepiante, estirilizante…E é nestes momentos ainda assim que - ó miséria! - encontro um pouco de cor-de-rosa na vida… [...]»


Paris, 14 de Maio de 1913: um poema

Quasi

Um pouco mais de sol - eu era brasa,
Um pouco mais de azul - eu era além.
Para atingir faltou-me um golpe d’asa…
Se ao menos eu permanecesse aquém…
Assombro ou paz? Em vão… tudo esvaído

Num baixo mar enganador d’espuma;
E o grande sonho despertado em bruma,
O grande sonho - ó dôr! - quasi vivido…
Quasi o amor, quasi o triunfo e a chama,

Quase o princípio e o fim, quasi a expansão…
Mas na minh’alma tudo se derrama…
Entanto nada foi só ilusão!
De tudo houve um começo… e tudo errou…

- Ai a dôr de ser-quasi, dôr sem fim…
-Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim,
Asa que se elançou mas não vôou…
Momentos d’alma que desbaratei...

Templos aonde nunca pus um altar…
Rios que perdi sem os levar ao mar…
Ansias que foram mas que não fixei…
Se me vagueio, encontro só indícios…

Ogivas para o sol - vejo-as cerradas;
E mãos d’heroe, sem fé, acobardadas,
Puseram grades sobre os precipicios…
Num ímpeto difuso de quebranto,

Tudo encetei e nada possuí…
Hoje, de mim, só resta o desencanto
Das coisas que beijei mas não vivi

………………………………….

Um pouco mais de sol - e fôra brasa,
Um pouco mais de azul - e fôra alem!
Para atingir, faltou-me um golpe d’asa…
Se ao menos eu permanecesse aquém…


in “Mário de Sá-Carneiro Correspondência com Fernando Pessoa (Vol. I)” ed. de Teresa Sobral Cunha, Lisboa: Relógio d’Água, 2003.

Um comentário:

CArlos disse...

provavelmente gostarás de ver algo que comecei a fazer nos princípios dos anos 90 (razão da apresentação) http://pintopc.home.cern.ch/pintopc/WWW/FPessoa/FPessoa.html

armário.roupeiro: cabides.

jaz.mim_tu... aqui, deixara de o ser.

à espreita de fa|c|to & gravata.

Seguidores